GARY PEACOCK & Bill FRISELL: Just So Happens

Catalog# 7710052

UPC# 782737100528

 

Gary Peacock: Graves;

Bill Frisell: Guitarras

 

Ouça no seu serviço de streaming favorito.

ESCUTE AQUI

… Um dueto fascinante…… por sua riqueza de empatia misteriosa, doses liberais de chance e musicalidade crua, “Just So Happens” é um dos melhores álbuns de jazz do ano.”- Jazziz

Combinando duas lendas do jazz e da música, este álbum de cartões postais, “Gary Peacock & Bill Frisell: Just So Happens”, apresenta a fascinante combinação do célebre baixista Gary Peacock com o eclético guru da guitarra Bill Frisell. Juntos, a dupla constrói composições originais, desempenha uma versão comovente e comovente de “Good Morning Heartache”, e surpreender o ouvinte com suas novas interpretações de duas músicas tradicionais americanas, “Casa na Cordilheira” e “Vale do Rio Vermelho”. “Just So Happens” também apresenta Peacock tocando baixo com arco pela primeira vez em uma gravação desde seu trabalho com Albert Ayler nos anos 1960.Gary Peacock bass GOODBill Frisell Live

4 ESTRELAS! … Peacock se transforma em uma performance magistral, sempre musical, e seu tom quente e amadeirado [é gravado] com presença e profundidade excepcionais.”- Revista Down Beat

Um dos baixistas mais melodicamente inclinados do Jazz, Gary Peacock se tornou uma figura renomada no Jazz ao apresentar seus sons de baixo ousados, quentes, porém grandes, fluidos, mas pensativos, ao lado de músicos renomados como Bill Evans, Miles Davis, Ornette Coleman, e Keith Jarrett. Seu colaborador nesta expedição musical é o famoso guitarrista Bill Frisell. Seja executando padrões clássicos do Jazz com Elvis Costello ou reflexões e abstrações ambientais ao lado de John Zorn, o estilo de Bill Frisell é incontível. Sua incrível técnica e capacidade de controlar os timbres e harmônicos de seu instrumento cria um som surpreendentemente original que transcende as restrições de estilo, tornando as ressonâncias de sua guitarra reconhecíveis se ele está tocando Jazz, Folk, World ou Rock.

Frisell tem um talento especial para extrair os sons mais convidativos do instrumento e as habilidades de composição para colocá-los na ordem certa. Combine a juventude do Colorado dada ao soul e C&W com sólido treinamento de jazz, estimulado por uma residência de uma década no coração da cena vanguardista de Nova York, multiplicada por um fator X divertido (ele fez trilha para os filmes de Buster Keaton) e você tem um receita quase perfeita." - O espelho

Para este CD de cartões postais, “Gary Peacock & Bill Frisell: Just So Happens”, Bill Frisell, que toca guitarra acústica e elétrica na gravação, e o gigante do baixo Gary Peacock criam um álbum imaginativo que, ao mesmo tempo em que respeita e reflete a influência do Jazz, também constrói uma nova música que ultrapassa seus limites tradicionais. Resumindo, a gravação é uma colaboração mágica entre dois artistas surpreendentes.

Seleção de músicas:

1. Só agora Gary Peacock / Bill Frisell 4:40
2. Em Po caminhado Gary Peacock / Bill Frisell 6:14
3. Wapitis Dream Gary Peacock / Bill Frisell 3:21
4. Casa na Faixa I Tradicional 3:30
5. Casa na Faixa II Tradicional 5:05
6. Através de uma clarabóia Gary Peacock / Bill Frisell 2:53
7. Vale do Rio Vermelho (Bass Solo) Tradicional 3:01
8. Reciprocidade Gary Peacock 4:34
9. Bom dia, dor de cabeça Irene Higginbottom e Erving Drake 5:25
10. NOMB Gary Peacock 19:39
11. Just So Happens Gary Peacock / Bill Frisell 7:54

Gary Peacock: Graves
Bill Frisell: Guitarras

Produzido por: Ralph Simon
Produtor Executivo: Sibyl R. Golden
Tempo total: 52:30 minutos

O que dizem os críticos:

A união de Bill Frisell e Gary Peacock é um prazer absoluto pois suas respectivas carreiras no jazz e além estão bem documentadas. O tom profundo e ressonante de Peacock, junto com as invenções cósmicas de Frisell, funcionam extremamente bem neste ambiente. Peças como "Somente agora" e 'In Walked Po ” são incursões envolventes no diálogo inventivo, breves declarações irregulares e articulações inteligentes. A dupla geralmente soa como se estivesse montando um quebra-cabeça do zero! Sua versão do clássico americano “Casa na Cordilheira” é frequentemente blues em escopo, mas com a técnica surpreendente e fraseado gregário de Frisell, - a melodia evolui para uma paisagem etérea de sonho. Em "Reciprocidade" Peacock exibe sua presença marcante enquanto as tapeçarias de cores tonais de Frisell oferecem elegância e contrastam bem com as hábeis declarações de nota única de Peacock. Frisell pega o violão de forma descontraída “Good Morning Heartache” enquanto imagens vívidas prevalecem em “Just So Happens”. Durante todo o tempo, Frisell e Peacock colocam na linha através de elegância simples, finesse e improvisação da mais alta ordem embora a maioria dessas composições sejam estruturadas, ainda assim, mantenham uma vibração relaxada e solta. Recomendado - 3,5 estrelas.

Todos os lançamentos de "Postais" apresentam qualidade de som audiófilo, já que o Arkadia busca continuar a tradição com novos lançamentos e reedições de catálogo, como “Just So Happens” e outros." - Glenn Astarita, allaboutjazz.com

Por mais de dez anos, Bill Frisell foi silenciosamente a voz mais brilhante e única no violão de jazz desde Wes Montgomery. À luz disso, pode ser fácil ignorar o fato de que ele também pode ser um dos compositores mais promissores da música americana na cena atual.”- Estereófilo

Bill Frisell é o Clark Kent da guitarra elétrica. De fala mansa e modesto na conversa, ele aparentemente respira fundo de fogo quando enfia o braço no (violão) ... Sua música não é o que se costuma chamar de jazz, embora gire na improvisação; não é rock'n roll; e com certeza não é aquele dinossauro cansado chamado fusão. Em um dos maiores saltos de imaginação desde os Yardbirds e Jimi Hendrix, Frisell persuade e bate seu machado de tom dividido pairando em formas de coisas que estão por vir ... Mas além de ser um gênio da guitarra, ele se tornou um excelente compositor. Como Monk, as ideias harmônicas e melódicas de Frisell formam uma malha sucinta e contínua com ideias externas sônicas e rítmicas sobre seu machado." - Rodar

Este parentesco musical com Miles Davis foi citado repetidamente na imprensa musical, O Nova-iorquino notas:

Bill Frisell toca violão como Miles Davis tocava trompete: nas mãos de pensadores tão radicais, seus instrumentos simplesmente se transformam em animais diferentes. E, como Davis, Frisell adora ter muito espaço para as pernas quando improvisa - o espaço que aterroriza os outros acelera seu sangue. ” - O Nova-iorquino

Sobre Gary Peacock:

O baixista Gary Peacock desempenhou um papel importante no desenvolvimento do jazz de vanguarda. Ele trabalhou com gente como Miles Davis, Bill Evans, Albert Ayler, Don Cherry, Barney Kessel, Don Ellis, Terry Gibbs, Shorty Rogers, o Paul Bley Trio, Jimmy Giuffre, Roland Kirk e George Russell, entre outros. Sua produção gravada é enorme - a ECM Records sozinha lista trinta CDs nos quais ele participa. Ele tem colaborado frequentemente com Ralph Towner em formato de dueto, e desde o final dos anos 70 tocou e gravou em um trio de renome mundial com Keith Jarrett e Jack DeJohnette.

A carreira musical de Peacock abrange muitos estilos musicais e décadas. Nascido em Idaho, Peacock levou a música a sério quando tinha 13 anos e tocava bateria e piano antes de reconhecer o baixo acústico como seu verdadeiro instrumento. Desde 1957, ele tocou e gravou com luminares do jazz "mainstream" e "avant-garde", incluindo Art Pepper, Dexter Gordon, Miles Davis, Sonny Rollins, Bill Evans, Albert Ayler, Paul Bley, Jimmy Giuffre, Jan Garbarek, Tony Williams, Wayne Shorter, Keith Jarrett, e Herbie Hancock. Ele também se aventurou na world music, gravando com o guitarrista Laurendo Almeida e sitarista Ravi Shankar.

Começando com o prêmio “New Star” da Down Beat em 1963, Peacock recebeu muito reconhecimento da crítica ao longo dos anos. Mais recentemente, seu Trio de padrões gravações com Keith Jarrett e Jack DeJohnette recebeu várias indicações e prêmios ao Grammy na França, Japão e Alemanha.

Professor, além de compositor e intérprete, Peacock desenvolveu o Programa de Teoria Musical e Harmonia no Cornish College em Seattle. Atualmente, ele oferece workshops e master classes em todo o mundo, incluindo um projeto recente na Royal Academy of Music de Londres.

Sobre Bill Frisell:

A carreira de Bill Frisell como guitarrista e compositor se estende por mais de 40 anos e muitas gravações célebres, cujo catálogo foi citado pela Downbeat como “A melhor produção registrada da década.”

Frisell tem muita prática em colocar alto conceito em um pacote humilde. Há muito aclamado como um dos guitarristas improvisadores mais distintos e originais de nosso tempo, ele também ganhou a reputação de criar conexões temáticas com sua música ... Há uma razão para que Jazz no Lincoln Center o tenha programado uma série chamada Roots of Americana. - New York Times

Reconhecido como um dos 21 artistas performáticos mais vitais e produtivos da América, Frisell foi nomeado um Doris Duke Artist inaugural em 2012. Ele também recebeu bolsas de Artistas dos Estados Unidos, Meet the Composer, entre outros. Em 2016, ele foi beneficiário da primeira comissão de composição do FreshGrass para preservar e apoiar a música popular inovadora.

Após o San Francisco Jazz abrir suas portas em 2013, ele atuou como um de seus diretores artísticos residentes. Bill também é o tema de um documentário da diretora Emma Franz, intitulado “Bill Frisell: um retrato”, que examina seu processo criativo em profundidade.

Ao longo dos anos, Frisell contribuiu para o trabalho de colaboradores como Paul Motian, John Zorn, Elvis Costello, Ginger Baker, The Los Angeles Philharmonic, Suzanne Vega, Loudon Wainwright III, Van Dyke Parks, Vic Chesnutt, Rickie, Lee Jones, Ron Sexsmith, Vinicius Cantuária, Marc Johnson (em “Bass Desires”), Ronald Shannon Jackson e Melvin Gibbs (em "Ferramentas elétricas"), Marianne Faithful, John Scofield, Jan Garbarek, Lyle Mays, Vernon Reid, Julius Hemphill, Paul Bley, Wayne Horvitz, Hal Willner, Robin Holcomb, Rinde Eckert, The Frankfurt Ballet, diretor de cinema Gus Van Sant, David Sanborn, David Sylvian , Petra Haden e vários outros, incluindo Bono, Brian Eno, Jon Hassell e Daniel Lanois na trilha sonora do filme de Wim Wenders “Million Dollar Hotel”.

pt_PTPortuguese
Arkadia Records Logo popup

Assine a nossa newsletter

Junte-se à nossa lista de e-mails para receber os últimos lançamentos, listas de reprodução e conteúdo de vídeo exclusivo de Jazz. Sem spam, apenas exclusivos Jazz de nosso catálogo.

Você se inscreveu com sucesso!